Capitalismo e Estado no pós-Lava Jato
2016-08-12
Tempos mais turbulentos após o afastamento definitivo de Dilma
2016-08-17

Entrevista do Correio 24 horas com Murillo de Aragão

“O caminho para a recuperação da economia brasileira já começou a ser percorrido e passa, entre outros pontos, pela mudança radical na relação entre os setores público e privado – completamente transformada pela Operação Lava Jato.

A análise é do presidente da Arko Advice, Murillo de Aragão, especialista em prever riscos, antecipar tendências e desenhar estratégias institucionais de alto impacto. Segundo ele, os sinais de que o mercado está reagindo bem podem ser percebidos pela melhoria nos números de indicadores como câmbio, bolsa e investimentos, além do aumento da confiança do consumidor e da indústria.

Murillo de Aragão vai estar em Salvador no próximo dia 31 para ministrar a palestra Bahia Mais Competitiva, como parte do Fórum Agenda Bahia. O evento é realizado pelo jornal CORREIO e pela rádio CBN, em parceria com Braskem, Coelba e Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb).

Após o processo de impeachment, como o senhor  analisa o cenário político brasileiro?
São várias dimensões que devemos considerar. Primeiro, o governo Temer deverá ter maior apoio, sem dúvida, do que teve a presidente Dilma no seu segundo mandato. Então, acredito que na arena política a situação possa andar com mais facilidade do que andava, em especial porque há um entendimento dos políticos da necessidade de tomar algumas medidas de cunho fiscal visando restabelecer a capacidade de gasto da União e dos estados. O segundo aspecto é a economia. Nesse sentido, o que se vê já é uma melhora nas expectativas porque há mais confiança no comando econômico da equipe de Temer do que havia antes com Dilma. Então, uma série de indicadores já apontam para esta melhoria: a bolsa, o comportamento do câmbio, o anúncio de alguns investimentos estrangeiros. O terceiro aspecto seria o social. Existe uma parte que sempre foi mobilizada, ainda que seja minoritária na sociedade, que apoia o PT e a Dilma. Com o encerramento do sonho do PT na Presidência da República, esses setores poderão ter vários tipos de atitude: ser mais agressivos na oposição ou até mesmo negociar com o governo.”

Leia a entrevista completa.